Do porto do Espirito Santo athe a ponta a que chamão do rio doce (1640)

Do cabo de S. Thome até o Morro de João Moreno (1640)
01/10/2017
Do rio doce athe a ponta de Agasuipe (1640)
03/10/2017
 
[quads id="1"]
 
 

Este mapa encontra-se no Descripção de Todo o Maritimo da Terra de S. CRVZ chamado vulgarmente o BRASIL. Feito por João Teixeira cosmographo de Sua Magestade. Anno de 1640, cuja autoria é de João Teixeira Albernaz, o Velho. Ele é acompanhado de mais dois mapas do Espírito Santo. A obra está no Ministério das Relações Exteriores do Brasil, no Rio de Janeiro.

Junto com o mapa, há a seguinte descrição:

Do porto do Espirito Santo que esta em Uinte graos e hum quarto, corre a costa ao norte, e torna alguma couza da quarta do nordeste. athe a ponta a que chamaõ do rio doce, em distancia de doze legoas: em toda essa não ha outro porto nem surgidouro, mais que o do Espirito Santo que he um dos notaueis da costa do Brasil, tem barra de bom fundo na entrada, e dentro no porto surgem em três braças, a terra he fertil, tem alguns engenhos de assucar; he fresca e de bons ares.

 

Os topônimos presentes no mapa são:

  1. de leonardo froes
  2. Ilha de Duarte de Lemos
  3. De [francisco de a]guiar
  4. Trepiche
  5. do Azeredo
  6. Pão da[Sucar]
  7. Vila uelha
  8. Ilha escaluada
  9. morro de Ioaõ Moreno
  10. Villa do Spirito Santo
  11. Ilha de uiuua
  12. Ilha de Ana Vaz
  13. 4 penedos
  14. Ilha de Valentim nunes
  15. Ilha de Dom Iorge
  16. Abrolho
  17. rio Moroipe
  18. Ponta do Tubarão
  19. Serra de Mestaluaro
  20. rio das barreiras
  21. Serra de Mestaluaro
  22. Aldea dos Reys Magos
  23. Reys Magos
  24. rio doce
  25. Ponta do rio doce

É possível perceber como a cartografia funciona  como instrumento de navegação, destacando os acidentes naturais como marcos do território do Espírito Santo da mesma forma que é feito nos roteiros de navegação do século XVII.

Esses marcos aparecem nos mapas que vão do Porto de Vitória à Ponta do rio Doce. Neles, mais uma vez o cartógrafo afirma que não há muita coisa entre os dois pontos: “naõ á outro porto. Nem surgidouro mais que o do Spirito Santo”, sendo este um dos mais notáveis do Brasil. Escreve ainda que a terra é fértil, fresca e de bons ares – acompanhando os relatos dos viajantes e cronistas do século XVI –, além de ter alguns engenhos, que são identificados nos mapas. Apesar de não haver portos importantes ali, há pelo menos os citados marcos de reconhecimento do litoral para quem se aproxima das vilas do Espírito Santo.

O Mestre Álvaro, o Morro do Moreno, a Ponta de Tubarão, e o Penedo (Pão de Açúcar) apontam a entrada da baía e chegada nas vilas. Sobre o Mestre Álvaro, é possível dar como exemplo o que está na Prática da arte de navegar, de Luis Serrão Pimentel:

nesta paragem, vendo uma serra alta e redonda ao longo do mar, a que chamam a Serra do Mestre Alvaro, e vindo de mar em fora demandar esta serra, da banda do Norte dela, se verá um rio, a que chamam dos Reis Magos; e vindo ao Sul dele logo descobrireis a boca da Baía do Espírito Santo[1].

Pimentel, portanto, utiliza a serra como marco da aproximação da baía do Espírito Santo. Isso também pode ser lido, com as mesmas palavras, no já citado Regimento de pilotos e roteiro da navegação, e conquistas do Brasil (…)[2]. O Mestre Álvaro também aparece na Arte de Navegar de Manoel Pimentel, filho de Luis Serrão:

Mais para o; Sul seis leguas está outro rio pequeno chamado dos Reis Magos, e duas leguas delle para o Sul se vê huma serra alta, e redonda ao longo do mar, a que chamaõ a Serra de Mestre Alvaro, no fim della da banda do Sul está huma ponta de pedra chamada Ponta do Tubarão, e daqui ao Espirito Santo ha quatro leguas. A bahia do Espirito Santo he estreita, mas capaz de navios grandes: tem na ponta do Sul hum morro, a que chamaõ Monte Moreno, e meia légua para dentro da bahia está outro monte, que parece hum paõ de assucar feito de forma (…)[3].

A já citada Historia ou Annaes dos feitos da Companhia Privilegiada das Indias Occidentaes desde o seu começo até ao fim do anno de 1636, escrita por Johannes de Laet, descreve a chegada de uma armada holandesa no Espírito Santo, e mostra como também os holandeses reconheciam o litoral do Espírito Santo a partir dos mesmos marcos geográficos:

A 3 de Março, sendo chegado quase em altura de 19º, assentou de seguir para o Espirito Santo, onde faria um salto. (…) Ao outro dia avistou a Serra do mestre Alvaro, mas, vendo que não podia entrar no rio com dia, fez-se algum tanto ao largo, por não ser visto dos de terra.

Alguns mapas portugueses confundem o Mestre Álvaro (como ficou conhecido) com outra serra mais próxima à ilha de Vitória. A partir de 1640, surge nos mapas uma segunda serra com o mesmo nome, só que ao norte do “Rio das Barreiras”. Nos mapas desse ano e também nos de 1642, o leitor pode ver as duas serras que recebem o mesmo nome:

  • Uma delas a oeste da “Ponta do Tubaraõ” e entre o “Rio Moroype” e o “Rio das barreiras”
  • A outra entre o mesmo “Rio das barreiras” e os “Reys Magos”.

A aldeia jesuítica dos Reis Magos aparece no interior do mapa, atrás da serra. Nos mapas posteriores, a serra mais ao sul passa a se chamar apenas “Serras”, deixando o nome de “Mestraluaro” para aquela mais ao norte.

Na sequência, os três mapas mostram uma serra (representada por três morros) sobre o nome “Reys Magos”. Este topônimo parece um equívoco, ou talvez uma justificativa para o nome da aldeia jesuíta pouco mais ao sul. Não há muitos morros de destaque nas proximidades da igreja, e nenhum cronista aponta a existência desses morros. De fato, o que há nos textos da época são três ilhas à entrada do rio, que também recebe o topônimo de “reys magos” nos mapas. Aqui, a aldeia não é mais representada pela quadra com a cruz ao centro, mas por um conjunto de construções, casas de tamanhos e formatos diferentes, mas sempre nas proximidades de uma cruz elevada.

Mais ao norte, o cartógrafo chama de “rio Doce” o que, em seus mapas anteriores, recebia o nome de “Riacho”. Ali próximo está a aldeia e a serra de “Reys magos” e, na mesma altura, no litoral, surge um conjunto de morros, que recebe o nome de “Serra de Mestraluraro”. O equívoco é que o Mestre Álvaro está muito mais perto da ilha de Vitória, como visto no mapa de 1640 e em outros. No mapa de 1642, está escrito apenas “Serras”[4], e no mapa de 1646 não há nada.

Por fim, é próximo às vilas que se encontram os topônimos que sem dúvida vieram do mapa de Luís Teixeira. Ali, temos novamente o nome da “Ilha de Duarte de Lemos”[5] e das ilhas menores, da “ponta do Tubarão” e do morro de “João Moreno”. A vila ocupando a ilha volta a se chamar “Villa do Spiritu Santo” – a mesma inversão de nomes vista no mapa de Luis Teixeira (ver Capítulo 2). A ilha principal do arquipélago, onde está Vitória, aparece nesse mapa dividida em duas[6]. Na parte superior há a vila, e na inferior estão escritos os nomes das ilhas menores.

Isso não acontece nos mapas posteriores. Ao invés de mostrar os nomes dessas pequenas ilhas, o cartógrafo escreve os nomes das principais igrejas da vila de Vitória, além de desenhá-las.

 

 

Nesta obra, este mapa é acompanhado de mais dois mapas do Espírito Santo, como pode ser visto abaixo. Cada um deles é acompanhado de uma página com uma descrição do mapa. Clique para acessar informações de cada um:

 

 

Informações

Do porto do Espirito Santo athe a ponta a que chamão do rio doce. [Escala ca 1:250 000]. 5 léguas = [12,7cm]. 1640. 1 mapa em 1 bifólio : ms., color., papel ; 23,5x37,5cm, em folha de 29,6x41,6cm. In: Descripção de Todo o Maritimo da Terra de S. CRVZ chamado vulgarmente o BRASIL. Feito por João Teixeira cosmographo de Sua Magestade. Anno de 1640. – 1640. – Fol. 12. - João Teixeira Albernaz, o Velho. - Pert.: Ministério das Relações Exteriores do Brasil.
[1] Pimentel, L. S. (1960). Prática da arte de navegar. Lisboa: Agência Geral do Ultramar. (Original publicado em 1673), p. 154.
[2] Carneiro, 1655, pp. 11-12v.
[3] Pimentel, M. (1819). Arte de navegar em que se ensinaõ as regras praticas, e os modos de cartear, e de graduar a Balestilha por via de numeros, e muitos problemas uteis á navegaçaõ, e Roteiro das viagens, e costas maritimas de Guine, Angola, Brazil, Indias, e Ilhas Occidentaes, e Orientaes, Novamente emendado, e accrescentadas muitas derrotas. Lisboa: Typografia de Antonio Rodrigues Galhardo. p. 304.
[4] Por sinal, a cidade que hoje se encontra aos pés do Mestre Álvaro (o nome ficou limitado apenas ao maciço principal) recebeu o nome de Serra. Como já mostrei, ela também surgiu de uma aldeia.
[5] Como visto no mapa mais antigo da capitania, de Luis Teixeira, ca. 1590 (ver tópico 2.2)
[6] Não foi encontrado nos documentos do período informações que justifiquem a divisão da ilha em duas.

Analisado em: As representações cartográficas da Capitania do Espírito Santo no século XVII, de Fabio Paiva Reis.
Ministério das Relações Exteriores, Rio de Janeiro, Brasil.
Não está disponível online.
 
 
[quads id="2"]
 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
//]]>