26/07/1647: Alvará que encarrega o descobrimento e superintendência das minas de esmeraldas do Sertão da Capitania do Espírito Santo aos Padres da Companhia do Rio de Janeiro

Spirito Sancto chega aos 300 documentos históricos com documento sobre Domingos Martins
28/10/2016
27/07/1647: Alvará que encarrega o descobrimento e superintendência das minas de esmeraldas do Sertão da Capitania do Espírito Santo aos Padres da Companhia do Rio de Janeiro
04/11/2016
Exibir tudo

26/07/1647: Alvará que encarrega o descobrimento e superintendência das minas de esmeraldas do Sertão da Capitania do Espírito Santo aos Padres da Companhia do Rio de Janeiro

 
[quads id="1"]
 
 

EU EL-REI faço saber aos que esta minha Provisão virem, que, tendo-se encarregado o anno de 1645 o descobrimento das minas das esmeraldas, que se intende ha no sertão da Capitania do Espirito Santo, a Domingos de Azevedo Coutinho, e a seu irmão Antonio de Azevedo, e aos Padres do Companhia de Jesus do Rio de Janeiro, e mandado para esse effeito ao Governador Geral do Estado do Brazil que lhes desse todo o favor, ajuda, poder, e jurisdicção, que lhes fosse necessário; e dispondo-se a jornada se não conseguio o descobrimento das ditas minas, por algumas duvidas que houve entre os Officiaes que para a mesma jornada proveu Antonio do Couto de Almeida, Capitão-mór da Capitania do Espirito Santo, e os ditos Domingos de Azevedo, e seu irmão, e ordens que levavam contra as suas delles, o que foi causa total de se não conseguir este negocio, e também por adoecerem os guias: — hei por bem de encarregar de novo do descobrimento das ditas minas, como por esta encarrego, aos Padres do Companhia da Capitania do Rio de Janeiro, levando comsigo a Domingos de Azevedo, porém ficando sempre a superintendência de tudo aos mesmos Padres, assim por elles se offerecerem a fazel-o á sua custa, como por terem cabedal para supprirem as despesas, e também pela administração que tem dos índios, e noticias mais modernas com que hoje se acham das referidas minas, e pelo bom modo com que disporão esta jornada, da qual se espera resulte grandes utilidades a minha Fazenda, e a estes Reinos e vassallos, levando para ella tudo o que fôr necessário para invernarem no sertão, e estar nelle todo o tempo que convier, para se continuar este descobrimento, porque não aconteça o que outras vezes aconteceu por esse respeito.

Pelo que ordeno aos ditos Padres que nesta conformidade cumpram e guardem esta minha Provisão tão inteiramente como nella se contém, a qual darão logo a execução antes que os guias que ainda ha faltem de todo. E mando outrosim ao Governador da dita Capitania do Rio de Janeiro, e mais ministros della. assim de Justiça, como de Fazenda, que cada um pelo que tocar a façam tambem cumprir e guardar sem duvida alguma, para que com o maior brevidade se disponha o que por ella ordeno, em ordem ao descobrimento das ditas minas, e do mais que para bem delle assentarem os ditos Religiosos.

Pascoal de Azevedo a fez, em Lisboa, a 26 de Julho de 1647. E eu sobredito Pascoal de Azevedo a subscrevi por ordem de Sua Magestade, como Official-maior do Conselho Ultramarino.

Liv. XX da Chancellaria fol. 40 v.

 
 
ANDRADE E SILVA, J. J. d. Colleção Chronologica da Legistação Portugueza. Segunda Serie (Conclusão) - 1675-1683 e Supplemento à Segunda Serie - 1641-1683. Lisboa: Imprensa de F. X. de Souza, 1857. p. 178.
Acervo Biblioteca Nacional
Não há.
 
 
[quads id="2"]
 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
//]]>