12/07/1552: Carta do bispo do Salvador
20/10/2017
20/05/1555: Carta de D. Duarte da Costa, 2º governador do Brasil
20/10/2017
 
[quads id="1"]
 
 

Senhor—Eu chegei a esta cidade do Sallvador de correr a costa como tinha esprito a V. A. no primeiro de mayo deste presente ano e achey aquy Manuel da Fonsequa em húa naveta em que trouxera fazenda e dinheiro pera esta cidade e achegou aquy bêe he a bom recado como llarguamente per elle tenho escrito a V. A. por que o despedy lloguo a yr tomar cargua a por me asy parecer bêe e proveito de vossa fazenda e eu fiquey aquy carreguando a armada em que fuy que he hua nao e duas caravelas de madeira pera coliaçam e repairos de bombardas e pera outras cousas como tenho per aviso dos ailmazêes do Regno e pareceo me que neste tempo he tardamça viese a nao de que V. A. me escreve que me faz merçe de me mandar yr nella e por me parecer que tardava he que estando a armada aquy corria risquo por não ter com que concertar nem me veyo do regno e que também cheguaria a essa coosta no enverno que he grande trabalho pera os navios me pareceo bom conselho e proveito de vosa fazenda mandar Pero de Guois nestes navios com a dita madeira he a nao quando vier far se a o que V. A. mandar e parecer bem ao tempo que cheguarem e nesta parte me parecer que está tudo asy bem hordenado.

Eu corry esta coosta toda e me parece que nisso fiz muito serviço a V. A. he bem a terra ao menos fiz todo ho que pude e entendy e guastey tudo ho que tinha he não fallo no guastar pera pedir allgum allvitere a V. A, pera minhas dividas se não pera que V. A. saiba que ho que me deu follguo de o despender em seu serviço e verdadeiramente que se ousara de fazer novidade que me metera em hua caravella a ir dar comta a V. A. de muitas cousas que se não podem esprever e vay muito nellas em as dizer e llembrar a V. A. pera ho bem destas partes e pois ja isto não pode ser direy as que me parecerem mais necesarlas por o mais breve modo que eu poder e o mais remeto a Pero de Guois que aliem de saber desta terra mais que outrem pasou e vyo tudo comiguo.

It. Todas as villas e povoações de engenhos desta coosta fiz cerquar de taipa com seus balluartes he as que estavão arredadas do mar fiz cheguar ao mar e lhe dey toda a artelharia que me parecéo necesaria, a quall está entregue aos vossos’ almoxarifes por que os capitães nam querem ter a que são obriguados a ter nem tem fazendas por honde os obrigue a yso hordene V. A. nisto o que lhe parecer seu serviço e mandey em todas as villas fazer casas de audiência e de prisão he endereitar allguas ruas o que tudo se fez sem opressão do povo he com folleguarem muito de o fazer que disto são grande parteíra.

It. Como dise a V. A. não farey senão as lembranças muito necessárias sem as quais esta terra se não poderá sustentar senão se hum homem pode viver sem cabeça. V. A. deve mandar que os capitães próprios residão em suas capitanias e quando isto não por allguns justos respeitos ponhão pesoas de que V. A. seya contente porque os que aguora servem de capitais não os conhece a may que os pario e eu aguora tirey hum da dos Ilheos que he a melhor cousa desta coosta pera fazendas e que mais aguora remde pera V. A. por ser chrístão novo e acusado polia santa inquisição e não ser pera o tall carguo em modo allguu o quall mandou o filho de que Deos aya e provey de capitão hum homem honrado e abastado he de boa casta que vive na dita capitania e que sirva em quamto V. A. nom prover ou o capitão da terra he Joham Gonçallvez Dormundo que he fidallguo e de cota darmas per húa provisão de V. A.

It. A esta cidade do Sallvador deve V. A. de prover de hum capitão honrrado he abastado por que a callidade della o demanda asy e o governador gerall não deve ter lluguar certo senão rezedir onde lhe parecer que ha mais necesidade delle.

It. Que a justiça de V. A. entre em Pernambuquo e em todas as capitanias desta coosta he doutra maneira nom se deve de tratar da fazenda que V. A. tiver nas ditas capitanias nem menos da justiça que se faz.

It. O Espirito Santo he a melhor capitania e mais abastada que ha nesta costa mas está tam perdida como o capitão delia qué Vasco Fernandez Coutinho [Vasco Fernandes Coutinho] eu o provy o melhor que pude mas V. A. deve mandar capitão ou Vasquo Fernandez que se venha pera ella e ysto com brevidade.

It. Per muitas vezes tenho escrito a V. A. que mande a estas partes ate dez criados seus e que seyão homês que tenham allgua obrlguação é honrra pera servirem nas capitanias de oficiaes de sua fazemda e de capitães e doutras cousas quando comprir. Eu entrey no que esta nesta costa na capitania de Martim Afonso 50 lleguas de e 50 do Espirito Santo, mando ho debuxo della a V. A. mas tudo he graça ho que se delia pode dizer senão que pimte quem quiser como deseje hum Rio isso tem este de Janeiro, parece me que V. A. deve mandar fazer ally húa povoação honrrada e boa porque ya nesta costa nom ha rio em que entrem senão neste e tirão delle multa pimenta e fuy sabedor que hum ano tiraram 50 pipas he tirarão quanta quiserem pagar os matos andão da callidade deste de ca de que V. A. deve de ter emformação e escusar se hia com esta povoação armada nesta costa e não ponha V. A. isto em traspaço porque aliem de ser necesario pera o que diguo devia V. A. ally de ter outro ouvidor gerall porque está em pasajem pera toda a costa daly e desta cidade ser provida com Justiça e com brevidade por respeito das monções e se eu não fiz fortaleza este ano no dito Rio como me V. A. escrevia foy por que o nom pude fazer por ter pouca gente e não me parecer siso desarmarme por tantas partes e acerqua deste caso he de outra bania que se chama Angra dos Reis e dará a V. A. llargua emformação Pero de Guois.

It. São Vicemte capitania de Martim Afonso he húa terra muyto honrada e de gramdes aguoas he cerras e campos, está a villa de São Vicente situada em húa Uha de três leguoas de comprido e hüa de Uarguo na quoall ylha se fez outra villa que se chama de Santos a quall se fez porque a de São Vicente não tinha tam bom porto e a de Santos que está húa leguoa da de São Vicente tem o melhor porto que se pode ver he todas as nãos do mundo poderão estar nelle com os proizes dentro em terra, esta ylha me parece pequena pera duas villas parecia me’bem ser hua soo e toda a ylha ser temo delia verdade he que a villa de São Vicente diz que foi a primeira que se fez nesta coosta e diz verdade e tem húa igreja muito honrrada e honrradas casas de pedra e call com hum collegio dos yrmãos de Ihesus. Santos precedeu-a em porto e em sitio que são duas grandes callidades he nella estão ya a allfandegua de V. A. Hordenará V. A. nisto o que lhe parecer bem que eu ouve medo de desfazer húa villa a Martim Afonso aynda que lhe acrecentase três . s. a Bretiogua que me V. A. mandou fazer que estaa cinquo lleguoas de São Vicente na boca rio por honde os yndios lhe fazião muito mall eu a tinha ya mandado fazer da maneira que tinha escrito a V. A. sem custar nada se não o trabalho dos moradores mas aguora que a vy com os olhos e as cartas de V. A. a hordeney e acrescentey doutra maneira que pareceo a todos bem segundo V. A. verá por este debuxo e hordeney outra villa no começo do campo desta villa de São Vicente de moradores que estavão espalhados por elle e os fiz cerquar e ayuntar pera se poderem aproveitar todas as povoações deste campo e se chama a villa de Santo André porque honde a cituey estava húa errnida deste apostollo e fiz capitão della a Johão Ramalho naturall do termo de Coimbra que Martim Afonso ya achou nesta terra quoando ca veyo. Tem tantos filhos e netos bisnetos e descendentes delle ho nom ouso de dizer a V. A., não tem cãa na cabeça nem no rosto e anda nove leguoas a pe antes de yantar e ordeney outra villa na borda deste campo ao longuo do maar que se chama a Conceição de outros moradores que estavão derramados por o dito campo e os ayuntey e fiz cerquar e viver em hordem e aliem destas duas povoações serem muy necessárias pera o bem comum desta capitania ffolgey de o fazer por o que direy em outro Item abaixo desta. Estas duas villas de São Vicente e Santos não estão cerquadas e as casas de maneira espalhadas que se não podem cercar senão com muito trabalho e perda dos moradores porque tem casas de pedra e call e grandes quintais e tudo feito em deshordem per honde lhe não veyo outra melhor telha que em cada húa dellas que fazerse no melhor sitio que poder e mais convinhavel pera sua defenção cada húa seu castello e desta maneira ficarão bem segundo a callidade da terra e deve se lloguo prover nisto quem com rezão o deve fazer porque doutra maneira estão mall.

Item. De Castella partiu hua armada com 300 pessoas pouquo mais ou menos pera o , a quoall parte delia na Ilha do Princepe na costa da Guine e parte na costa entre ho e São Vicente 60 lleguoas delle honde se chama o Rio dos Patos se perdeo casí toda e se salivarão soomente 60 pessoas casy a metade molheres honde entrava a molher do governador que tão bem falleceo que se chamava Fernando de Saraiva e suas filhas e parentes em que erão nove ou dez molheres fidallgas afora outras, os yndios como vírom que era gente que se parecia com nosquo e dizerem lhe elles que erão yrmãos nossos nam lhes fizeram mall allgum antes muyto guasalho, como se vyão asy perdidos veyo hum capitam daquella companha que se chamava Johão do Sollazar que foy criado do duque dAveiro a quem fez deitar o abito de Santiaguo ê chegando este homem a São Vicente chegei eu e me pedio que mandase buscar aquelles homens e molheres que éstavão ally perdidos, pareceo me serviço de Deus e de V. A. mandallos buscar em hum navyo he trazellos a São Vicente parecendo me que as molheres virão tão emfadadas dos trabalhos que pasarão que casarão ahy com quem lhes der de comer e os homens que farão cada hum sua roça. E parti com elles desa pobreza minha que llevava e nom foy tam pouquo que nom fose mais do que eu tinha de meu de trinta he cinquo anos.

Item. Pollo Rio da arriba 300 lleguas da bara ao norte e ao nordeste esta hua povoação grande de castelhanos da gente que ally llevou Dom Pedro de Mendonça a quoall está em 25 grãos he hum quoarto e São Vicente esta em 23 e 3 quoartos, foi se aguora descobrindo pouquo e pouquo que esta povoação que se chama a cidade dAçunção está muyto perto de São Vicente e não devem de pasar de cem lleguoas porque polia altura se ve lloguo claramente. Parece nos a todos que esta povoação está na demarcação de V. A. e se Casteila ysto neguar mall pode provar que he Malluco seu e se estas pallavras parecem a V. A. de mao esperiquo e pior cosmografo terá V. A. muita rezão que eu não sey nada disto se não deseyar que todo o mundo fose de V. A. e de vossos herdeiros achey que os de Sam Vicente se comunicavão muyto com os castelhanos e tanto que na alfandegua de V. A. rendeo este ano pasado cem cruzados de direitos de cousas que os castelhanos trazem a venfder. E por ser com esta gente que parece que por castellanos não se pode V. A. desapeguar delles em nenhüa parte hordeney com grandes penas que este caminho se evitasse ate ho fazer saber a V. A. e por nisto grandes guardas e foy a causa por honde follgey de fazer as povoações que tenho dito no campo de São Vicente de maneira que me parece que o caminho estará vedado acuda V. A. com muyta brevidade a mandar ho que nisto ha por seu serviço e em todo ho modo responda V. A. a este capitólio que em cousas tão novas não me sey detreminar por que a tenção dos castelhanos era yrem se por terra pera a sua povoação.

Item. Os yrmãos da companhia de Ihesu fazem nesta terra muyto serviço a Deus por muitas vias como por vezes tenho escryto a V. A. tem elles grande fervor de yrem polla terra a dentro a fazer casas no sertão entre o gentio e lho defendy de maneira e com as pallavras com que se devem defender as tais obras dizendo lhes que asy como se for V. A. allarguando se vão elles também e que se quisessem entrar polia terra a dentro que o facão dous e três com seus llinguas a preguarem ao gentio mas yrem a fazer casa antre elles me não parece bem por agora senão em nossa companhia.

Sinto ysto muyto e de maneyra que o tomem como martírio que lhes eu dese. V. A. acuda lloguo a ysto lloguo porque não queria eu ter com homens tão vertuosos e tanto meus amiguos deferenças de pareceres porque sempre tenho ho meu por pior e senão pera toda esta costa contra esta hopenião não ousava eu de lho enpedir.

It. De São Vicente até o Rio da Prata estavâo allguas armas de Casteila em allguas partes mandeias tirar e deitar no mar e por as de V. A.

It. Correndo esta costa achey antre o gentio nova mais quente douro do que me a mi parece nem parecera ate que o veya poilo muito que o deseyo todavia hordeney doze homens e hum clleriguo yrmão da companhia delhesus como elles e estão pera entrar pella terra firme polia via de Porto Seguro e per Pernambuquo são ja entrados outros quererá nosso Senhor que pois V. A. parte também com elle do que tem que trarão estes homens nova de allgum grande tesouro.

Da cidade do Salvador ao primeiro de Junho de

— Thome de Sousa.

— Sobrescrito; A ell rey noso Senhor.

 
 
DIAS, C. M., VASCONCELLOS, E. J. D. C., & GAMEIRO, A. R. História da Colonização Portuguesa do Brasil - Edição Monumental Comemorativa do Primeiro Centenário da Independência do Brasil. Vol. III. Porto: Litografia Nacional, 1922, p.364-366.
Acervo Biblioteca Nacional
Com linguagem atualizada, assim como disponibilizado em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia-brasil/brasil-colonia-documentos-2-regimento-de-tome-de-sousa-1548.htm
 
 
[quads id="2"]
 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
//]]>