Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística, de Basílio Carvalho Daemon (1879)

24/04/1655: Carta para o Capitão-mor da Capitania do Espirito Santo Simeão de Carvalho
16/08/2016
[Ilha de Duarta de Lemos], de Luis Teixeira (ca. 1586)
24/08/2016
Exibir tudo

Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística, de Basílio Carvalho Daemon (1879)

 
 

Sobre o Autor

Classificado como o quinto historiador capixaba, na ordem cronológica, por Afonso Cláudio, Basílio Carvalho Daemon merece maior destaque pela sua atuação no jornalismo. Nasceu no Rio de Janeiro a 8 de fevereiro de 1834. Tendo ficado órfão muito cedo, foi internado num convento, onde chegou a coroinha, mas fugiu e foi assentar praça no Corpo de Permanentes, em cuja instituição pouco demorou. Trabalhando como revisor, em diversos jornais da Corte (foi colaborador de alguns), conseguiu freqüentar os primeiros anos da Faculdade de Medicina. Os conhecimentos que adquiriu, então, lhe valeram a prestar relevantes serviços de socorros, como enfermeiro, às populações de Paty do Alferes, por ocasião da epidemia do cólera morbus, em 1856. Repetiu o mesmo gesto humanitário em Cachoeiro e em Vitória, quando a epidemia de varíola assolou aquelas cidades, nos anos de 1868 e 1874, respectivamente. De Paty do Alferes, onde contraiu matrimônio, Basílio Daemon transferiu-se para Cachoeiro de Itapemirim. Chegou aos 27 anos de idade, levando pequena mala de socorros de urgência para atendimentos gratuitos e disposição para enfrentar qualquer trabalho. Experimentou as profissões de dentista-ambulante, lavrador, comerciante e topógrafo, tendo adquirido, por compra, umas terras. Foi advogado e professor de primeiras letras, atingindo a presidência da Câmara. A 4 de julho de 1866 inaugurava a imprensa no Cachoeiro, redatoriando o jornal O Itabira. No jornalzinho, de formato modesto, ele iniciou a publicação, em folhetim, do romance “Arcanos”, posteriormente lançado em livro. Eleito para a Assembléia Provincial, em 1872, Daemon transferiu-se par Vitória e a 31 de outubro daquele ano apresentou projeto para construção da primeira estrada de ferro do Espírito Santo. Dinâmico e combativo, sempre pugnando pelo Partido Conservador, tornou-se proprietário do Jornal O Espírito-Santense, tendo defrontado grandes pugnas políticas com os adversários do Partido Liberal. Basílio Daemon foi Tesoureiro da Alfândega; Procurador Fiscal; Promotor Público; Curador de Órfãos e Bibliotecário da Biblioteca Pública, em Vitória, cargo em cujo exercício veio a falecer, em 1º de dezembro de 1893. Ao seu polimorfo espírito indagador e crítico deve-se acrescentar um pendor de entomologista. A coleção classificada de coleópteros, colhida no Espírito Santo, que ele remeteu para figurar na Exposição de Berlim, foi alvo de elogios.

Texto Completo

 
 
 
Daemon, Basílio. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. Coordenação, notas e transcrição de Maria Clara Medeiros Santos Neves. 2.ed. (Coleção Canaã, v.12) Vitória : Secretaria de Estado da Cultura; Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2010. 684 p.
Texto adaptado do site Morro do Moreno: http://www.morrodomoreno.com.br/materias/basilio-daemon.html
 
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

//]]>