22/02/1613: Sobre o descobrimento das esmeraldas de Marqos d Azeredo e 4 mil cruzados que lhe ei de dar para ele, donde se ão de tirar, a que responderei¹

08/10/1612: Sobre a naveta inglesa que foy a capitania do Spirito Sancto e denunciação que deu Leonardo Froes de Francisco de Aguiar e os Teixeiras
06/12/2015
26/05/1615: De Sua Magestade pelo arcebispo que trouxe Diogo de Campos sobre couzas do Maranhão em 28 de [Maio] e cartas de Diogo de Campos Moreno
06/12/2015
 

Gaspar de Sousa governador do Brasil amigo, eu el Rey vos envio muito saudar.

Marcos d Azeredo me fez relação do descobrimento que fez da serra das Esmeraldas, sendo disso encarregado por Dom Francisco de Sousa, governador que foi das ditas capitanias do Rio de Janeiro, Sam Vicente e Spirito Sancto, oferecendo quatro pedras que disse tirar das minas delas, nas quaes mandei fazer exame, e se achou serem esmeraldas finas posto que mui carregadas de cor, duras mais que as occidentaes, a cuja cor tira muito hũa das ditas pedras, e o oficial que fez o dito exame declarou ter lavrado muitas da mesma mina, em cor diferentes mais claras e vistosas, e vir delas também outra sorte de pedras azuis e mui abertas em cor, que despois de lavradas ficão sendo propriamente como agoas marinhas que vem da India oriental, as quaes excedem em duresa, e que pela informação que tem da sorte e nascimento destas pedras, cavando as minas bem abaixo se acharão outras mais claras e milhores, assi estas como granadas e ametistas. E me representou o dito Marcos d Azeredo que para as ditas minas se poderem cultivar como convem, fazendo se a jornada a custa de minha fazenda sendo para ella as esmeraldas, serão necessários mais de dez mil cruzados de despesa, e que para a fazer algũ particolar com minha ajuda, e fazendo lhe mercês para obrigar aos que quiserem hir em sua companhia e dando lhe licença que possão trazer as esmeraldas, pagando os quintos, não faltaria quem se obrigasse a faze la com quantro mil crusados para ferramentas, canoas, mantimentos e outros gastos.

E porque se entende que convem muito a meu serviço e fazenda tratar se das ditas minas, e pela boa informação que tenho do dito Marcos d Azeredo e experiência que ele já tem desta matéria, ey por bem e vos mando que achando ser da importância que se refere ordeneis com a brevidade possível que por conta de minha fazenda se deem ao dito Marcos d Azeredo os quatro mil cruzados que pede, fazendo ele as obrigações que aponta, e de minha parte lhe prometais a ele e aos que o acompanharem na jornada que lhe farei mercê a respeito do que importar o serviço que me fizerem; e por o dito Marcos d Azeredo estar hora neste reino lhe mandei declarar o que nisto ordeno para se embarcar e hir acodir a este negocio que elle aceitou e lhe ordenais também que o dee a execução com a mesma brevidade.

E porque sera de muito efeito hir juntamente hũ lapidário experto que possa dar luz da importância do que se achar, tenho mandado ordenar que se envie para isso, e do que em tudo isto se fizer e achar me avisareis mui particolarmente.
Escrita em Lisboa a 22 de Fevereiro de 1613.

a) Rey;
a) O Conde Altirante.

Para Gaspar de Sousa, governador do Brasil. /

Por el Rey a Gaspar de Sousa do seu Conselho, seu gentil homem da boca, governador e capitam geral do estado do Brasil. 1ª via.
Registe esta provisão. a) O Governador
Fica registada no livro novo dos registos de provisões seculares a folhas 164 na volta. a) Manoel Mendes de Vasconcellos.
Pello Conselho da India. Em 22 de fevereiro de 613. Sobre o descobrimento das esmeraldas de Marqos d Azeredo e 4 mil cruzados que lhe ei de dar para ele, donde se ão de irar, a que responderei.

 
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

//]]>