09/05/1678: Registro de uma carta de Sua Alteza por que manda se dê todo necessário conteúdo nela ao administrador das minas Dom Rodrigo de Castelo branco, e . . . 300$000 de ajuda de custo e 150$000 réis para o Tenente-General Jorge Soares de Macedo

19/09/1676: Sôbre o que escreve José Gonçalves de Oliveira, capitão da capitania do Espirito Santo, acerca das dúvidas que teve com o donatário dela, Francisco Gil de Araújo e oficiais da Câmara
06/06/2016
(ca.09/1676)¹: Carta para o Capitão-mor da Capitania do Espirito Santo Joseph Gonçalves de Oliveira sobre não ir ás esmeraldas
06/06/2016
Exibir tudo

09/05/1678: Registro de uma carta de Sua Alteza por que manda se dê todo necessário conteúdo nela ao administrador das minas Dom Rodrigo de Castelo branco, e . . . 300$000 de ajuda de custo e 150$000 réis para o Tenente-General Jorge Soares de Macedo

 
[quads id="1"]
 
 

. Amigo. Eu o Príncipe vos envio muito saudar. Por ter resolvido que o Administrador General Dom Rodrigo de Castelo branco e o Tenente-General fossem desta para a o para averiguação da prata de Paranaguá e do ouro que se diz haver naquele distrito e que depois da diligência feita nas partes que leh parecer desvanecendo-se, sem acharem minas, por última resolução minha façam a jornada a S. Paulo e dai às serras de Sarabaçú com as ordens que levam minhas aonde é opinião comum haver prata, e naquela parte fazer a mesma diligência. E para este negócio se obrar como convém a meu serviço vos ordeno e mando deis toda ajuda e favor para que Dom Rodrigo e Jorge Soares partam a esta diligência com a brevidade possível e lhes mandareis dar toda a ferramenta que pedirem e o mais que lhes forem necessários dos meus armazéns. E juntamente há de levar Jorge Soares cinquenta infantes daqueles que parecerem mais capazes deste serviço e sempre será melhor que sejam sertanejos, aos quais se há de continuar seu socorro como se estivesse nesta praça pelos efeitos por onde ali são pagos e aos oficiais de Guerra, Justiça e Fazenda da repartição do sul passareis ordens além das mercês que levam para que assistam com tudo o que fôr necessário aos ditos dando-lhes toda ajuda e favor para o bom efeito deste negócio e os oficiais da Fazenda e Câmaras que empreguem à ordem do dito administrador todos os efeitos pertencentes ao e Holanda, digo, Inglaterra e assim os atrasados com os que forem correndo, enquanto o dito administrador geral estiver ocupado na dita diligência daquelas partes, como também todos os mais efeitos pertencentes a minha Fazenda que não estiverem aplicados ao sustento dos presídios e tudo o que assim entregarem aos oficiais deste recebimento com conhecimentos em forma ao tesoureiro do dito administrador geral com vista neles posta por ele será levantada e com toda entrega que os ditos oficiais fizerem. E sereis advertido de ordenares que todos os oficiais de Guerra, Justiça e Fazenda dêem cumprimento às ordens que o dito administrador passar a Jorge Soares como Tenente-General para melhor efeito do meu serviço e a um e outro ordenareis ao provedor-mor de minha Fazenda lhes mande assistir com seus soldados desde o dia que se embarcarem dessa praça e deste em diante há de vencer o Administrador Geral Dom Rodrigo de Castelo Branco quarenta mil réis por mês e o Tenente-General Jorge soares de Macedo vinte seis mil réis e porque aqui se não pode ajustar quanto há de vencer o tesoureiro que hão de levar nem o escrivão de seu cargo, atendendo-se a viagem que fazem e ao custo dos usuais daquela parte designareis o sôldo que vos parecer respectivamente ao que levam o administrador e o Tenente-General, porquanto estes ofícios de escrivão e tesoureiro há de nomear o administrador-geral na forma de suas instruções, todos estes soldos se hão de pagar pela consignação do contrato das baleias como tenho ordenado e ao administrador-geral Dom Rodrigo se lhe dê de ajuda de custo trezentos mil réis e ao Tenente-General Jorge Soares e Macedo cento e cinquenta mil réis pelo mesmo rendimento e a seus oficiais que julgardes conveniente para seu apresto, passando as ordens necessárias ao provedor-mor de minha Fazenda. E porque é forçoso valerem-se dos índios que nas capitanias do sul há de minha administração e pares da companhia ordenareis se lhes dêem aqueles que forem necessários e aqueles que os padres da companhia derem fareis que sejam os mais hábeis para este serviço, sem embargo de assim o mandar escrever ao seu provincial e ao reitor do Colégio do Rio de Janeiro, e por se entender o quanto é necessário que de uma vez se consiga o efeito que pretende destas minas ou o desengano de as não haver para isso vos encomendo ponhais todo cuidado na execução do que por esta vos ordeno. Escrita em Lisboa a vinte e oito de outubro de . Príncipe. O Conde de Val de Reis. Para o Mestre de Campo, General do Estado do brasil.

Registou-se em 9 de maio de 1678 e torna ao dito Governador . Em 9 de maio de 1678 se passou, mandado que se registou no livro de 15 dêles, para se pagar ao administrador-geral das minhas Dom Rodrigo os . . 300$000 que por esta carta em frente lhe manda dar Sua Alteza de ajuda de custo. Costa. E outro no mesmo dia registado no mesmo livro à folhas 8 para se pagar ao Tenente-General Jorge Soares de Macedo cento e cinquenta mil réis de que pela dita carta em frente e para constar fiz esta verba. Bahia, maio de 1678. Costa.

 
 
DOCUMENTOS Históricos. Registo de Provisões da Casa da Moeda da Bahia, 1783-1793, Registo de Cartas Régias, 1678-1684. Vol. LXXXII. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional. 1948, p.270-273.
Acervo Biblioteca Nacional
Não há.
 
 
[quads id="2"]
 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
//]]>